A IMPORTÂNCIA DO HOME-OFFICE OU TELETRABALHO PARA QUALIDADE DE VIDA E PRODUTIVIDADE NAS EMPRESAS


Com o avanço da tecnologia, comunicação e globalização, novas formas de flexibilização das relações de trabalho tem se disseminado visando o aumento da qualidade de vida do trabalhador, o aumento de produtividade, redução de custos para o empregador e retenção de talentos na empresa.

O Home-Office ou Teletrabalho surgiram para viabilizar tais necessidades, e por isso é atualmente, a maior evolução quando falamos em satisfação profissional, pessoal, redução de custos e retenção de talentos na empresa.

O Home-Office ou teletrabalho, é uma realidade mundial. Empresas públicas e privadas utilizam-se dessa modalidade com o intuito de aumentar a qualidade de vida do trabalhador para conseguir reter talentos, reduzir custos, aumentar a satisfação profissional, otimizando o tempo e dando as empresas maior flexibilidade.

É uma modalidade poderosa nas empresas, onde as mudanças ocorrem em ritmo vertiginoso, em que as informações ultrapassam fronteiras impulsionadas pela velocidade da internet, em que a globalização promove maior competitividade entre empresas.

Sob a ótica de profissionais que atuam em Home-Office ou tele trabalho, esses trabalhadores apresentam um nível de satisfação profissional maior em relação aos trabalhadores tradicionais, como demonstram pesquisas de RH. Além disso, sabe-se que pessoas satisfeitas produzem mais quando se tem qualidade de vida, a criatividade flui com mais facilidade e assim tendo maior produtividade, flexibilidade e economia, mais tempo para lazer, família e esportes.

Mobilidade, sustentabilidade e sóciodiversidade são pontos fundamentais em qualquer debate sobre cidade. O futuro e a melhoria de qualidade de vida nos centros urbanos dependem de uma mudança para que sejam tratados esses problemas. Obter novos conceitos é fundamental, como morar perto do trabalho, usar menos automóvel, desperdiçar menos e poupar mais são algum pontos para tentar resolver alguns problemas.

Qualidade de vida e o maior prêmio do escritório para casa. Com os avanços obtidos nas telecomunicações e na informática, já encurtaram distâncias entre nações, talvez se possa usá-las em distâncias menores, entre emprego e a casa, em prol da qualidade de vida.

O home-office ou teletrabalho surgiram como uma alternativa moderna de gestão empresarial, com foco no trabalho flexível para tornar as empresas mais competitivas e dinâmicas.

Abordaremos neste estudo, diversos aspectos a respeito do home-office, defendendo-o como uma alternativa e solução à diversos problemas de nossa atualidade, mesmo que realizado de forma parcial.


1. Evolução do conceito de Home-Office ou Teletrabalho.


O Home-Office ou Teletrabalho é um tema condicionalmente novo, tanto na prática quanto na literatura administrativa, especialmente no Brasil. Apareceu como proposta nos anos 1970, como possível resposta à crise do petróleo, ao aumento dos problemas de mobilidade, sustentabilidade e sociodiversidade, ainda, no cenário de maior afluxo das mulheres ao mercado de trabalho. No entanto, é a partir dos anos 1990 que o tema ganha força, especialmente nos países do chamado Primeiro Mundo, em virtude da sofisticação e estereotipagem das tecnologias de informática e telecomunicações (TICs-Tecnologia da Informação e da Comunicação ).

O trabalho em casa não é uma ideia nova já nos burgos da idade Média, a loja ou oficina ficava no térreo e a casa no andar de cima. Em 1980 , Alvin Toffer profetizava em seu Best Seller “A primeira onda” que a tecnologia permitiria que as pessoas voltassem a trabalhar em casa com o fim da era industrial e o início da era da informação, da valorização dos serviços, da criatividade e da produtividade.

O Home-office ou Teletrabalho, já é realidade para 58 milhões de pessoas no mundo todo conforme dados do IDC(Internacional Data Corporetion 2011)

Existem no Brasil 4,5 milhões de pessoas trabalhando em casa (jornal Nacional/2009). Com aumento de 10% ao ano chegando em 2015 com uma porcentagem de 30% de pessoas trabalhando em casa pelo menos uma vez por semana em todo mundo (Época negocio /49).

Hoje as formas tradicionais de trabalho a distância diferenciam-se bastante do fenômeno a que assistimos hoje nas organizações. O Home-Office ou teletrabalho, viabilizado pelas TICs(Tecnologia da Informação e da Comunicação ) que permitem a virtualização do espaço e do tempo, não é apenas nova forma de organizar o trabalho. Ele transforma o trabalho de “um lugar para ir” em uma atividade que pode ser feita a qualquer hora e em qualquer lugar. Mais do que isso, ele impacta o próprio significado de organização. Se os indivíduos podem trabalhar em qualquer lugar e a qualquer momento, não é mais tão fácil demarcar as organizações no espaço e no tempo: elas esticam suas fronteiras no espaço porque os teletrabalhadores podem estar em qualquer lugar; elas se esticam no tempo, porque o trabalho não está mais restrito aos horários convencionais do escritório (Brocklehurst, 2001).


2. Home-Office ou Teletrabalho, uma questão de escolha ou de sobrevivência?


Embora o discurso do Home-Office ou teletrabalho compartilhem de elementos importantes com outros discursos gerenciais correntes, sua prática envolve o elemento restrito do afastamento físico do local de trabalho, gerenciamento das suas próprias atividades, autoconfiança, determinação, facilidade em lidar com tecnologias e telecomunicação e facilidade em administrar suas finanças. Consequentemente, além de articular uma pretenciosa autodisciplinar de autonomia e liberdade responsáveis, a prática tenta conciliar situação e sentimentos contraditórios: isolamento físico e vínculo com a organização, imediação física e indisponibilidade para a família, autonomia com invasão dos espaços íntimos, vida privada e trabalho, transferindo ao responsável e maduro tele trabalhador o “desafio” de gerenciar tais paradoxos.

Não obstante, é preciso reconhecer que casa e trabalho são mundos culturalmente diferentes. Trabalho e casa são espaços sociais construídos sobrediscursos diferentes, envolvendo pessoas, normas, valores, noções de tempo, práticas e condutas distintas (Tietze, 2002).

Como defende Da-Matta (1987, 2001), as esferas pessoal e pública — incluindo o trabalho — são espaços deslignificação diferenciada, com seus códigos, comportamentos e condutas particulares: casa e rua.

Os dois mundos, o da casa e o da rua, “são mais que meros espaços geográficos. São modos de ler, explicar e falar do mundo” (Da-Matta, 2001:29); tratam-se, ambos, de espaços morais. Misturá-los, então, não é possível sem criar conflitos.

Em empresas estudadas por Felstead, Jewson e Walters (2003), os teletrabalhadores e os respectivos supervisores enfrentavam dificuldades para negociar o modus-operandi em termos de tempo e espaço para a realização de atividades, principalmente, em função do problema da visibilidade. Os teletrabalhadores, o fato de os supervisores não os observarem no mesmo espaço físico, daria a conotação de que eles não estariam efetivamente trabalhando.

Porém, conforme observam autores como Hartig, Kylin e Johanson (2007), Hilbrecht et al (2008), Mann, Varey e Button (2000), Marsh e Musson (2008) e Tietze (2005), a flexibilidade parece ter também um alto custo para alguns indivíduos, pois faltam referências que ajudem a definir os limites entre tempo e espaço de trabalho e de vida pessoal.


3. Questões de âmbito legal


No dia 15 de dezembro de 2011 a presidente Dilma Roussef assinou a lei 12.551/2011, que “equipara os efeitos jurídicos da subordinação exercida por meios telemáticos e informatizados à exercida por meios pessoais e diretos”. Quem trabalha em home office terá os mesmos direitos trabalhistas de quem trabalha dentro da empresa, sem mais nem menos. Não é uma regularização da atividade – para isso tramita outro projeto de lei - reconhece esses trabalhadores e seus direitos.

A Lei 12.551/2011 teve origem no PLC 102/2007, do ex-deputado Eduardo Valverde (Falecido em 2011), que, na época, lembrou que a revolução tecnológica e as transformações do mundo do trabalho exigem permanentes mudanças de ordem jurídica.

A lei passa a ser também o artigo 6o. na CLT, ou seja, não há mais desculpas para as empresas tratarem de forma diferente quem trabalha em casa e quem trabalha in loco. Teletrabalhadores serão mais protegidos, pois terão garantidas todos os diretos previstos em lei, como fundo de garantia, décimo terceiro, entre outros.

Sabemos que o trabalho tomou diferentes formas, desde o seu surgimento, variando conforme a necessidade da realidade mundial. Muitas delas foram ditadas pelas dificuldades apresentadas, outras motivadas por avanços tecnológicos, que, desde então, permitem maior flexibilidade em todos os aspectos da economia.



Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

(54) 3392-1031

(54) 3392-1103

 

Av. Otto Radtke, 1165, sala 03

Lagoa dos Três Cantos/RS

CEP 99495-000

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon

© 2016 FUTURIZANDO - todos os direitos reservados.